"Desculpe, mas eu não sei nadar. Sempre tive medo de mergulhar nos meus sonhos e acabar afogando-me em meus medos, principalmente no elo entre o sonho de viver um grande amor e o medo de amar. Sim, medo de amar. Porque amar traz consequências e estas vão perdurar por dias, meses e se bambear, por mil e tantos anos, por vidas e mais vidas; reencarnações. Você pode se apaixonar à primeira vista e não ver mais aquele alguém no ponto seguinte; pode se apaixonar por quem não o ama e formar rios na qual a maioria deles são preenchidos por lágrimas, daquelas que fluem de maneira incontrolável; ou também tem aquele amor que vem e você não sente, aquele em que outra pessoa o ama. Você não. Para ficar no leito e não se afogar, tem que haver a tal da reciprocidade, aquele amor que acham que só terão uma vez na vida e se não souberem abrir os olhos e deixar os demônios que neles se escondem se esvaírem, não acontecerá. Amar é sentir. Amar é um ato de ser. É suportar tudo com um coração deteriorado, que suscita e suscita como o sangue pulsando sob um hematoma, mas não morre. É estar apto a receber, estar apto a doar. Amar além de tudo, é um ato de entrega. É fechar os olhos e submergir numa dimensão até então desconhecida. É navegar no inviável. Entender que não é uma via de mão-dupla. Vai além de fazer um abraço, morada. Além de uma despedida; vai além de uma pausa entre carícias e discussões. Amar é dividir. É deixar o fogo tomar conta das ações e se perder, amar é ser encontrado. É se reencontrar. É não temer a queda, mesmo que isso seja uma consequência. Vai além de gritar aos quatro cantos os resquícios límpidos de um sentimento exagerado: mas guardar à dois a promessa de um futuro improvável. Vai além de se afogar na reciprocidade. Amar é se deixar levar na maré branda, mesmo que o medo fantasie uma tempestade."
Um ser feito de barro na companhia de Éden Victor. (via reclusivo)

(by Theo Gosselin)
The Smiths I Know It's Over
The Smiths
I Know It's Over

xygni:

"I Know It’s Over" by The Smiths

And as I climb into an empty bed

Oh well, enough said

nataliaswarz:

Margot by Natalia Swarz
637

Saudade de acordar e ter motivos pra olhar o celular.

crowhn:

indie blog